From April 15th 2012 to April 15th 2013... Is Bishop Fellay credible?

A priest responds to Bishop Fellay's Letter to Friends and Benefactors

On April 15th, was made public the text of Bishop Fellay soon to be shown in the Letter to the friends and benefactors of the Fraternity. If we look at the text isolated, it is firm as it consists primarily of quotes of Archbishop Lefebvre. Bishop Fellay recognized the "present analysis" of our founder who is still "the conductor wire of his doctrinal position and action" in the Fraternity. "His very fair perception, theological and practical, continues to be valid." The profession of faith which opens the famous statement of November 21st, 1974 "is also of all members of the Fraternity." In short, "currently, following the same line, we can not do more than repeat what Archbishop Lefebvre and Fr. Schmidberger affirmed after him. All the errors they denounced, we denounce". Wow, may this serve to appease the most suspicious!

But ... if you consider this text, not as an isolated text but in the current context of Tradition, we can not but ask ourselves: Is Bishop Fellay credible? Or more precisely, should we believe Bishop Fellay in his statement of April 15th, 2012 or in his statement of April 15th, 2013? From the one April 15th [2012] to another [2013], the contrast is startling. "The analysis of Monsignor Lefebvre" is truly being "the conductor wire of the doctrinal position and action" of the Superior General of the Society in 2012? "The situation of the Church is virtually unchanged" at Easter of 2013: that's not what we read in the editorial of Cor Unum of March 2012.

So how should one understand the text of the last April? Can we not fear that this shift to the right is intended to reassure and put to sleep those who still resist the policy of adherence to Rome? In order to Bishop Fellay again be credible, three conditions are necessary:

1. A sincere and unequivocal  mea culpa: Bishop Fellay acknowledged that "the Fraternity found itself in a delicate position (what a euphemism!) during a great part of 2012" (what now?), But immediately explained that the difficulties came from the "demands" and "lack of clarity" of Rome. The Superior General and the headquarter wouldn't have anything to do with it? It is indispensable that Bishop Fellay explicitly retract certain writings and certain events of last year: among many others, we'll simply quote the shameful April 14th response to the three bishops, the scandalous Statement of 15th, the painful statement of the General Chapter, the odious sanctions that have fallen upon a bishop, priests (exiled or expelled) and religious (ordinations delayed) ...

2. The solemn affirmation, in a statement addressed simultaneously to the Holy See and the bishops, priests and faithful of Tradition, the principle of: "no practical deal without doctrinal agreement". Carefully specifying the meaning of words in order to avoid any ambiguity or imagination of a "doctrinal agreement" for the simple fact that Rome accepts us as we are.

3. The firm and public criticism of todays Rome and its current pope. Archbishop Lefebvre didn't rejoice denouncing the errors, but did not hesitate to attack, respectfully but vigorously, the abettors of errors, not only the bishops, but even the pope. Towards the end of his text, Bishop Fellay seems to quietly and timidly criticize (without daring to name it) pope Francis, but do not denounces the numerous scandals that have marked the first few weeks of his pontificate. And DICI reintroduces us the story of Aeneas and Pio, comparison attempted by Fr. Celier in relation to Benedict XVI in 2005. After eight years, the number of "pink eyeglass wearers" have grown terribly.

We conclude proposing in a loud voice what many priests and faithful think silently: when a Superior puts a work entrusted to him in so much danger, it is convenient after having recognized his mistakes, to resign his office. This is at least one "desirable condition" to save the little part remaining healthy in the Fraternity [St. Pius X]. It better be a "sine qua non" condition.



Fr. Chazal update from India

Through intimidation techniques applied to the faithful who have been sentenced to no longer have the Father Valan Rajkumar was forced to take control of all missions that revolve around the city of Chennai, capital of Tamil Nadu .

Among the Mass centers of Saidapet (50 people), Bangalore (to our surprise 50 people in the north of the city), Margao (50 people also came to Good Shepherd Mass) and the city of RN Kandighai (300 people), Father Valan deals with a total of 450 faithful to which must be added those who are scattered in this big country. As an example, Roland Fernandez awaits us in Delhi, and some families attached to the position of Archbishop Lefebvre are present in the Persian Gulf. You also have to add the rest of Tamil Nadu, where he now helps Fr. Pancras, an old friend of Bishop Williamson. He will go to Chennai every month to deal with all nightly First Fridays of the month, a true spiritual marathon. Father Ignatius Xavier also received us with open arms. He asked us to help him build a church for his 100 followers of Tuticorin and is very impatient with official SSPX, because nothing has been done in 30 years of their presence for this group which is one of the largest in India. Father Selvaraj accepted to undertake our group in Coimbatore, west of Tamil Nadu.

We have been well received in Mumbai and Vasai where most faithful understands very well what is happening today in the Tradition. The fact that we could not visit them for 11 months since the last crisis in May, did not stop them to be informed and prepared to receive us. The reception at Palayamkottai left much to be desired, although this was not surprising.

If we add the missions in the Far East, over 1000 faithful, seven priests and four potential seminarians have escaped the liberal domain.

We conclude that in less than a year, the beginning of resistance in Asia is promising. The timing is perfect, with the organization of external visits, financial support, publications (we project printing 2000 missals), and the establishment of a hierarchy ad hoc, yet informal for the moment. The excessive and liberal behavior of certain local priests, the expulsion of Bishop Williamson and the unfortunate statement of April 15, 2012 (no withdrawal in their substance) have allowed many eyes to be opened.

In Jesu et Maria

Francois Chazal +

Original at: http://aveclimmaculee.blogspot.mx/2013/04/percee-de-la-resistance-en-inde.html


Os "bons" padres da FSSPX estão cada vez piores

Favor notar que não é permitido qualquer distribuição ou circulação de literatura desautorizada em nossas capelas, e isso inclui o "The Recusant!"

Pe. Morgan

O Carmelo de São José na Alemanha e a FSSPX

Uma breve apresentação dos acontecimentos da Primavera de 2013.

O Carmelo de São José, em Brilon-Wald existe desde 2 de Fevereiro de 1984. Foi fundado a partir do Carmelo de Quievrain que em si foi fundado pela irmã biológica de Archhbishop Marcel Lefebvre. No momento o Carmelo é composto por seis irmãs professas e um noviciada e todas vivem em reclusão.

Autoridade Suprida

A fim de ser protegida do Modernismo da igreja "conciliar" que destrói a vida religiosa, o Carmelo de Brilon-Wald, como o Mosteiro mãe, confiou á Arcebispo Lefebvre e sua Fraternidade Sacerdotal São Pio X para o seu cuidado espiritual. Arcebispo Lefebvre exerceu uma "autoridade suprida" sobre este e outros Mosteiros nos quais ele era mais um "pai conselheiro e amigo do que uma autoridade jurídica", parafraseando o Superior Geral da Sociedade, Padre. Franz Schmidberger em uma carta circular a todas as comunidades religiosas aliadas em 28 de Maio de 1991.

Após a morte de Abp. Lefebvre esta "suprida autoridade" foi inicialmente dada para Mons. Fellay e depois de sua eleição como Superior Geral da Sociedade, em 1994, Mons. De Galarreta. Ele exerce esse cargo no espírito de serviço, de acordo com o Pe. Schmidberger, não como membro da Sociedade de São Pio X, mas como um bispo católico, e cada congregação religiosa "foi absolutamente exonerada de acompanhá-lo ou não". "Nem ele, nem a Fraternidade tem a menor intenção de se aproveitar de qualquer forma das outras comunidades. É importante ver em suas ações sempre como uma ação extraordinária e não de jurisdição ordinária, até o dia em que a ordem divina retorne a Igreja de Deus." Isso é o que foi dito na carta do Superior Geral em 1991 .

Maneiras novas e estranhas e uma decisão necessária

Desde o ano de 2000, a Sociedade de São Pio X, liderada por seu Superior Geral Dom Fellay, traçou um novo caminho (que por sinal foi abertamente admitido pelo assistente Padre Niklaus Pfluger em uma reunião sacerdotal do Distrito Alemão em Stuttgart, em setembro de 2011), que era cada vez mais claro a direção á uma "regularização canônica", um "acordo canônico" com Roma conciliar. Isto acarretou uma grande agitação as Carmelitas de Brilon-Wald, uma vez que elas haviam confiado à Sociedade de São Pio X, a fim de ser protegida precisamente desta Roma conciliar. Será que elas devem ser entregues a eles agora por seus próprios protetores?

Os acontecimentos turbulentos especialmente dentro da própria Fraternidade a partir do Outono de 2011 em diante não ajudou a dissipar estas preocupações e tranquilizá-las. Em particular, o Carmelo olhou para o respectivo responsável Bispo de Galarreta. Inicialmente, ele parecia dar todos os motivos para ter esperança, uma vez que ele já havia falado claramente em suas "Reflexões", por ocasião de uma reunião dos superiores da Fraternidade em Albano em 7 de Outubro de 2011, depois novamente e mais claramente na carta conjunta com os Bispos Williamson e Tissier Mallerais para o Capítulo Geral da Fraternidade em Abril de 2012 contra um "acordo canônico".

Após o Capítulo Geral da Fraternidade São Pio X, no Verão de 2012, com as suas "Seis condições deploráveis" para uma "rendição honrosa"; após a exclusão de Mons. Williamson inicialmente do Capítulo Geral e depois da Fraterdade, sem que seus irmãos bispos viessem para ajudá-lo, particularmente após a palestra do bispo de Galarreta em Villepreux em Outubro de 2012, em que ele mudou de Saulo para Paulo, ou seja, de um adversário do acordo para o seu defensor; depois de todos esses acontecimentos nada restou de sua esperança inicial. Uma pessoa não pode ter qualquer confiança de ser protegida pelas autoridades da FSSPX do modernismo Romano conciliar.

Clareza final veio através da leitura do livro do Padre Michel Lelong sobre o "GREC" intitulado "Pour la reconciliação nécessaire", que expõe abertamente quanto tempo e com que quais métodos têm trabalhado dentro da Sociedade para uma união com Roma conciliar, ou seja, o quanto o "FSSPX" já foi infectada, minada e quão profundo o mal já estava enraizado.

No inverno de 2012/13 as Carmelitas de Brilon-Wald, portanto, chegou à conclusão de que seria necessário finalizar as conexões com a FSSPX, a fim de permanecerem fiéis à fé Católica e não serem entregues a Roma conciliar. Quando em Março de 2013 havia a perspectiva de uma visita do Bispo do Galarreta [ao Carmelo Alemão], pois ele se encontrava na Alemanha na época, elas [Carmelitas] disseram Ea ele em 25 de Fevereiro sobre a decisão de que eles não mais valeriam de sua "autoridade suprida", e que portanto, sua visita não era mais necessária. Esta etapa veio após intensos estudos, meditação, oração e aconselhamento como era seu pleno direito, uma vez que, de acordo com a redação do Superior Geral a partir de 1991 as comunidades religiosas eram totalmente livre para contactar Bispo de Galarreta ou não.

Manobra para capturar uma fortaleza

O antigo Superior Geral e presente Superior Distrital da Alemanha, o Padre Franz Schmidberger, parecia ter esquecido completamente a sua carta anterior, de 1991. Para no mesmo dia, 25 de Fevereiro, quando ele mal havia recebido a mensagem do Bispo de Galarreta e antes que ele fosse capaz de pensar ou mesmo considerar - porque ele estava, como sempre, na casa de retiro da Faternidade na pregação em Black Forest pregando um retiro - ele enviou imediatamente um fax para o [diretor] espiritual das Carmelitas em Brilon-Wald, em que ele ordenou que o mesmo deixasse o Mosteiro em três dias, pelo menos até 28 de Fevereiro ás 8:00PM (interessante, exatamente no mesmo momento que Bento XVI abdicava) e para ir, por enquanto, para sua residência na Sede Distrital, em Stuttgart. Como justificativa, ele mencionou que as Carmelitas queriam separar-se por causa do "liberalismo alegado" na FSSPX e que elas se recusavam até em falar com o seu "superior eclesiástico" (ele provavelmente quis dizer Mons. De Galarreta). Ora, a "autoridade suprida"sem jurisdição própria de repente se transformou em "superior eclesiástico", mesmo com o Primeiro Assistente da FSSPX afirmando em uma recente entrevista com o pleno consentimento de ambos, --tanto do Superior do Distrito Alemão como o da Superior Geral; que a "FSSPX" sofre de uma "irregularidade canônica". Clero irregulares certamente não podem ser "superiores eclesiásticos" ...

Devido o Capelão nem estar presente em Brilon-Wald durante nos dias 25 - 28 de Fevereiro, ele já não poderia atender tal demanda. Quando regressou a situação já havia mudado. Em primeiro lugar, alguns sacerdotes bem-intencionados fizeram o que se poderia esperar do Superior Distrital, e convenceu as irmãs Carmelitas de tomarem um tempo antes de uma separação definitiva com a Fraternidade e tentar uma conversa com Mons. de Galarreta. Por isso a demora da decisão até a Páscoa, e uma visita do Bispo foi agendada para 20-23 de Março.

Em segundo lugar, a irmã externa deixou o Carmelo no dia 28 de Fevereiro. (Uma irmã externa é uma Freira Carmelita que não vive fechada e que realiza, por exemplo deveres externos: compras corriqueiras). A Irmã externa de Brilon-Wald só recentemente professou solenemente seus três votos religiosos para o Carmelo St. Joseph, na Festa de São José 2012. Ela, no entanto, não queria saber nada sobre os acontecimentos na FSSPX e recusou-se a tomar nota de qualquer informação. Portanto, ela não estava de forma alguma pronta para seguir o rumo de sua Comunidade.

Sua Madre Superiora pediu-lhe para esperar até a Páscoa e ofereceu-lhe que se ela discordasse mais tarde da decisão, ela seria acomodada em outro Mosteiro Carmelita. Medidas adequadas já haviam sido tomadas e um Carmelo que aceitaria a irmã em tal caso também já havia sido encontrado . A externa no entanto, não quis esperar e insistiu em deixar o Mosteiro imediatamente. Para isso, ela entrou em contato com seu irmão biológico, que é sacerdote na Sede Distrital em Stuttgart e que veio imediatamente para levar sua irmã consigo.

Entre o retiro que terminou no 2 de Março e a Reunião Sacerdotal que começou em 4 de Março, o Superior do Distrito Alemão encontrou tempo para escrever uma carta para o Capelão do Carmelo, em que ele chamou-o novamente, desta vez como um comando de "em obediência" para sair do Carmelo até 7 de Março e estar na Sede Distrital de Stuttgart até 8:00pm. Esta carta foi entregue ao Capelão em 5 de Março por meio de "carta registrada".

A Madre Prioresa voltou-se então, pessoalmente, para o Padre Schmidberger e perguntou-lhe educadamente para que deixasse o Capelão pelo menos até a Páscoa no Mosteiro, caso contrário, especialmente após a retirada ilegal da Irmã externa, ela seria incapaz de acreditar na pureza da sua intenção e, portanto, das intenções da FSSPX. A resposta veio em torno de 6 de Março: É direito do Superior do Distrito transferir os padres acordo com sua vontade; ele não tem qualquer responsabilidade pela fuga da Irmã externa. Além disso, a remoção da externa era necessário para os nervos e, além disso, ele sente muita falta de humildade dos Carmelitas remanescentes de Brilon-Wald.

Se um ladrão quer levar uma cidade ou fortaleza, ele se dá ao trabalho primeiro de cortar o fornecimento. Algo semelhante aconteceu aqui. Após a remoção da Irmã externa, que foi responsável por fornecer os meios de subsistência, agora o Capelão deve ser removido e, assim, os meios espirituais de subsistência deveriam ser cortados. O Reverendo Padre Superior do Distrito obviamente tentou muito agarrar o Carmelo de Brilon-Wald, muito pelo contrário de sua afirmação em 1991 (outra possibilidade de apreensão não foi dada, pois a propriedade do Carmelo com os seus edifícios, Mosteiros, Capela e Casa Espiritual estava sob posse das Freiras). Todos os seus protestos de inocência foram em vão. Pois o direito de mover um padre não inclui o direito de abandonar um Mosteiro sem um alimento espiritual e infligir em certo sentido, um interdito, apesar do fato de que elas não foram consideradas culpadas de qualquer crime. E o rapto de uma Freira de seu Mosteiro por um sacerdote que está sob sua própria autoridade e que acomodou esta freira fugitiva em sua própria casa, é impossível de ter acontecido sem o consentimento dele, especialmente porque ele defendeu este procedimento ilegal.

A ruptura inevitável

A situação era clara para as Carmelitas. Elas informaram Mons. de Galarreta que ele não tem que preocupar-se mais. Sob tais circunstâncias, a colaboração com essas pessoas era impensável. Também ficou claro para o Capelão que ele não poderia seguir o comando do Superior Distrital. Pois comandos absurdos e injustos não são obrigatórios. O comando era absurdo, pois no curto período de menos de três dias era impossível para o [diretor] espiritual organizar todos seus problemas, embalar suas coisas e organizar sua mudança. O comando foi injusto pois foi obviamente destinado a privar as Carmelitas de Brilon-Wald da Santa Missa e dos sacramentos.

De fato, o Superior Distrital acanhadamente prometeu em seu "correio registado" para oferecer um "substituto" para  [direção] espiritual, mas na "data marcada" de 7 de Marco, nada se via ou ouvia deste "substituto". Pelo menos até a Páscoa a assistência espiritual para as irmãs deveria ter sido assegurada, e mesmo além por um período razoável, a fim de dar as freiras a oportunidade de encontrar um novo Capelão. Afinal o Carmelo não era culpado de nenhum delito, simplesmente fez uso de seu próprio direito e, portanto, não havia nenhuma razão para qualquer punição - especialmente não em vista dos incontáveis ​​méritos que o mosteiro tinha adquirido para o Distrito Alemão em quase trinta anos.

É naturalmente esperar que a FSSPX espalhe todos os tipos de insultos e calúnias contra o Carmelo em Brilon-Wald e pelo menos fale mal dela, uma vez que não podem vencê-las. Em segundo lugar, pode-se supor que o Capelão será excluído da FSSPX devido a "desobediência". Mas é preciso obedecer mais á Deus do que os homens. "In Deo laudabo verbum, in Domino laudabo sermonem: in Deo speravi, non timebo quid faciat mihi homo." (Sl 55,11).